Arquivo da categoria: Região VII – ENESSO

Região VII – ENESSO

Breve síntese do I Seminário estadual contra a precarização do Ensino do Movimento Estudantil de Serviço Social

No dia 07 de maio de 2011 a Executiva Nacional de Estudantes de Serviço Social – ENESSO realizou na Universidade de Mauá – FAMA o 1º Seminário Estadual sobre Educação.

A realização contou com o apoio das entidades da categoria Conselho Regional de Serviço Social – CRESS e Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social – ABEPSS, teve como intuito fomentar a discussão acerca da mercantilização do ensino e os impactos na formação profissional, focando o Ensino À Distância – EaD.

O EaD surgiu com o objetivo de contemplar o público que não pode acessar instituições de cursos presenciais, como moradores de regiões isoladas, portadores de deficiência física, pessoas em estado de convalescência e sujeitos privados da liberdade. Entretanto, não são esses que ocupam os cursos EaD na atualidade, pois a flexibilização de horários e a facilidade de adaptação a realidade de cada um passou a compreender a classe trabalhadora que, submetida a problemática da exigência de capacitação profissional por parte do mercado de trabalho, extensa carga horária e as demais questões do âmbito social, recorrem a modalidade. E no caso das instituições, elas optam pelo EaD devido os baixos custos de implantação e manutenção da estrutura física e, muitas vezes, da baixa qualidade do ensino, de modo a divergir do tripé universitário: ensino, pesquisa e extensão; e das diretrizes curriculares dos cursos, como por exemplo as da ABEPSS.

O espaço teve como perspectiva os estudantes que sofrem com a precarização do ensino superior, expresso pelo ruim desempenho da modalidade EaD e dos programas de “democratização do ensino superior”[1] Reuni e Prouni. Porém o evento não teve a adesão prevista, contando com apenas quatro escolas da Região VII (São Paulo), entre essas nenhum representante, discente ou docente, que fosse de curso não presencial.

Este esvaziamento foi avaliado como conseqüência do trabalho de base não qualificado nas micro-regiões, atrelada a proximidade das datas do seminário e do XXXIII ERESS – Encontro Regional de Serviço Social (de 21 a 24 de abril de 2011) e a pouca divulgação. Essa autocrítica do processo nos trouxe alguns posicionamentos a serem amadurecidos:

  • Aumentar a divulgação, pela internet e presencialmente, dos encontros, seminários, entre outras atividades que possam surgir da ENESSO;
  • Qualificar articulação da base por parte das micro-regiões;
  • Melhorar articulação entre ENESSO, CRESS e ABEPSS a partir do plano de lutas;
  • Articular com demais executivas de cursos.

Sobretudo foi reconhecida a conjuntura do Movimento Estudantil de Serviço Social – MESS em situação de refluxo.

Há necessidade de articulamos o combate do sucateamento da educação em conjunto com as demais entidades da categoria, com o movimento estudantil geral e de área (executivas e federações de cursos) e com a classe trabalhadora, entendendo o caráter totalizante que estas contra-reformas[2] do Estado afetam a sociedade, e não apenas o curso de graduação do Serviço Social.

 

Executiva Nacional de Estudantes de Serviço Social – ENESSO 

Região VII


1-      Na prática o discurso de democratização do ensino aplica-se  apenas a números de matriculados, em detrimento de salas de aulas superlotadas, investimentos públicos em instituições privadas (universidades particulares) e corte no orçamento de instituições públicas, quadro de docentes incompleto e não efetivação do tripé ensino, pesquisa e extensão.

[2] Para Florestan: “reforma universitária é indissociável da destruição da monopolização do poder pelos estratos conservadores das classes altas e médias. Por isso, quando [os jovens, professores, educadores e intelectuais radicais] falam ou lutam pela reforma universitária não querem apenas ‘reorganizar’ formalmente o ensino superior. Visam construir uma universidade totalmente nova – educacionalmente criadora, intelectualmente crítica e socialmente atuante, aberta ao povo e capaz de exprimir politicamente seus anseios mais profundos” (FERNANDES, Florestan apud jornal do movimento por uma universidade popular, ano V numero IV pág. 06), o que o Estado brasileiro faz é retirar direitos, logo se trata de uma contra-reforma, ou seja perca de direitos e não ganhos.

Docentes das Ifes aprovam paralisação no próximo dia 05 e construção de greve para agosto

Paralisar as atividades no dia 05 de julho e pautar a construção da greve dos docentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes) para agosto de 2011. Estas foram as deliberações do encontro do setor das Ifes, realizado na sede do ANDES-SN, nos dias 17 e 18 de junho. A reunião contou com a participação de 37 professores, de 25 seções sindicais.

“Além de aderir à paralisação geral dos Servidores Públicos Federais (SPF) no dia 05 de julho, como parte da campanha conjunta, os professores decidiram por fazer desta data um Dia Nacional de Luta para a mobilização em prol da carreira docente”, comenta Sandra Bernadete Moreira, 1ª vice presidente da Regional Norte II.

Os representantes das Ifes indicaram também iniciar uma rodada de assembléias gerais nas seções sindicais para pautar a discussão de uma greve unificada dos docentes do setor para o segundo semestre de 2011.

Colégios de Aplicação
Manhã de sábado (18/6) foi reservada ao intenso debate da situação dos Colégios de Aplicação (CAp), conforme deliberado no último encontro do setor. Após uma revisão de toda a discussão em torno dos CAp, os professores deliberaram por atualizar o roteiro de questões enviado a estas instituições, com o finalidade de coletar material para a produção de uma matéria investigativa a cerca do tema.

Foi decidido ainda convidar um representante do Ministério da Educação (MEC) para a próxima reunião do setor das Ifes para um debate sobre a situação dos Colégios de Aplicação.

Greve da Fasubra
Os representantes do Setor das Ifes aprovaram ainda uma moção de apoio e solidariedade à paralisação dos técnico-administrativos das Universidades Federais, iniciada em 06 de junho. Até o momento, 47 universidades já aderiram à greve.

Fonte: ANDES-SN

Rumo à XIX Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba!

Programação final e orientações

XIX Convenção Nacional de Solidariedade a Cuba – 23 a 26 de Junho de 2011

Para garantir o bom andamento do evento é INDISPENSÁVEL que os participantes se pré-inscrevam. O formulário de inscrição encontra-se disponível no sitewww.solidariedadeacuba.org.br e deve ser preenchido e enviado por e-mail paracontato@solidariedadeacuba.org.br com o assunto “Inscrição”. Acesse a ficha clicando aqui.

A pré-inscrição garantirá a participação nos mini-cursos e ajudará a levantar a demanda por alojamentos e refeições econômicas.

Programação detalhada

21 e 22/06 – terça-feira e quarta-feira

Sala de projeção do Pavilhão da Criatividade – Memorial da América Latina

19h – Exibição de filmes cubanos

Dia 21 – Lucía
Sinopse: Lucía é uma obra mestra do cinema cubano, tinida até hoje como a consagração definitiva de um cineasta e de uma filmografia nacional. A obra está composta por três contos. Em cada um deles a protagonista leva o nome de Lucía, ou seja, uma representação da mulher cubana em três tempos. A três Lucías encadeiam a épica pessoal com o fluir da epopeia nacional emancipadora, libertação que convoca a mulher como ente participativo e definitório. Este filme é a primeira mirada do cinema cubano ao devir histórico, visto como caixa de ressonância para o íntimo, sim que a descrição da alma feminina obstaculize a visão das raças e povos acrisolados na nação cubana. A crítica tem reconhecido neste filme o extremo cuidado formal e de representação, sob a inspiração de Serguei Eisenstein, Luchino Visconti, Orson Welles, Glauber Rocha e os grandes neo-realistas, assim como seu gosto pela recreação enfática e melodramática dos signos culturais do passado, onde é notória a espessura filosófica, artística e histórica. Humberto Solás é considerado um cultivador da sedução através do virtuosismo estilístico.

Dia 22 – Memórias do subdesenvolvimento
Sinopse: Retrato lúcido e poético de Cuba no começo dos anos 60, Memórias do Subdesenvolvimento é considerado um clássico do cinema latino-americano. O mestre Tomás Gutiérrez Alea oferece um olhar ao mesmo tempo carinhoso e crítico sobre os rumos da revolução narrado pelos olhos de Sérgio, um homem que aos 38 anos se vê subitamente sozinho em Havana, depois que sua mulher e seus pais resolvem migrar para os Estados Unidos. Ao acompanhar Sérgio, o espectador é convidado a passear pelas ruas da capital cubana e a encontrar personagens reais, num filme que mistura com habilidade recursos da ficção e do documentário.

22/06 – quarta-feira
Praça na saída do metrô Barra Funda, em frente à UNINOVE

14h – Atividade de rua: saúde e revolução PELA VIDA!
Barraca de campanha com atendimento à população e palestras

23/06 – quinta-feira (feriado)

Sala Mário de Andrade, anexo dos Congressistas – Memorial da América Latina
19h – Exibição do documentário de Carlos Pronzado “Carlos ‘Calica’ Ferrer: A última viagem de Ernesto Guevara pela América Latina” com presença de Carlos Pronzato e Calica Ferrer

Quem é Calica Ferrer: Carlos “Calica” Ferrer nasceu em Alta Gracia, Córdoba, em 1929. Aos quatro anos conheceu Ernesto Guevara de la Serna, um menino asmático que se instalou com a sua família em Alta Gracia para procurar um alívio para o seu mal. Ernesto e Calica mantiveram uma íntima amizade durante a infância e adolescência. Em 1953 empreenderam juntos uma viagem aventureira por América Latina, no final da qual, Guevara terminaria convertido no Comandante Ernesto Che Guevara.
Atualmente Calica Ferrer vive em Buenos Aires e se dedica a estudar e difundir a figura do seu amigo Ernesto Guevara. No documentário Carlos ‘Calica’ Ferrer, a última viagem de Ernesto Guevara pela América Latina (40 min./2011) de Carlos Pronzato, ele relata aquela viagem.
19h45 – Lançamentos e relançamentos dos livros
De Ernesto a Che – Carlos ‘Calica’ Ferrer (Argentina)

A Revolução Cubana e a Questão Nacional- José Rodrigues Máo Júnior

Cuba – apesar do bloqueio – Mário Augusto Jakobskind

Fogo cruzado – Coronel Jorge Herrera Medina (Cuba)
20h30 – Autógrafos e apresentação do grupo musical da AMA ABC
24/06 – sexta-feira
Auditório Simón Bolívar – Memorial da América Latina

8h – Credenciamento

9h – Palestra: A importância da Revolução Cubana no marco dos 50 anos da vitória em Playa Girón e a solidariedade internacional
Palestrantes: Coronel Jorge Herrera Medina, combatente da batalha de Girón, Kenia Serrano Puig, presidenta do Instituto Cubano de Amizade aos Povos, Dôra Cesar do Nescuba

14h – Oficinas e mini-cursos
Universidade Nove de Julho
História da Revolução Cubana, Sistema educacional em Cuba, Sistema de Saúde em Cuba, Poder Popular e Democracia em Cuba, Política Externa Cubana e a ALBA, Direito Internacional com base no caso dos 5 heróis, Oficina sobre cinema feito nas margens, Oficina de música e identidade cultural cubana, A economia cubana, As relações de gênero em Cuba.
24/06 – sexta-feira – ABERTURA OFICIAL
Auditório Simón Bolívar – Memorial da América Latina

19h – Ato político de abertura
Ato político: Embaixador de Cuba no Brasil, Sr.Carlos Rafel Zamora Rodriguez, Presidenta do ICAP e deputada da Assembleia Nacional do Poder Popular de Cuba, Kenia Serrano Puig, e representantes de organizações nacionais
Apresentações musicais:
– Lançamento do novo CD de Pedro Munhoz
– Canto Libre com apresentação de vasto repertório latino-americano
– Apresentação do samba enredo “Cuba sim, em nome da verdade” pela escola União da Ilha da Magia, vencedora do carnaval de 2011 em Florianópolis
25/06 – sábado
Auditório Simón Bolívar – Memorial da América Latina

9h – Palestra: Bloqueio econômico e midiático
Palestrantes: Nidia María Alfonso Cuevas, Professora do Instituto Superior de Relações Internacionais de Cuba, Rosa Mirian Elizarde, jornalista do Cubadebate e Magalys Llort, parlamentar e mãe de Fernando González, um dos 5 patriotas cubanos preso nos EUA

14h – Grupos de trabalho
Universidade Nove de Julho
Bloqueio econômico, Bloqueio Midiático, Solidariedade a Cuba, Frentes Parlamentares, Libertação dos 5 patriotas

19h – Encerramento
Sintaema – Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente de SP (próximo ao metrô Armênia, linha azul do metrô)

    – Saudação de Aleida Guevara, médica cubana, filha de Che Guevara
    – Leitura da Carta de São Paulo
    – Festa de confraternização com a bateria das escolas de samba União da Ilha da Magia, vencedora do carnaval de 2011 em Florianópolis com o tema “Cuba sim, em nome da verdade” e da Unidos da Lona Preta
26/06 – domingo
Memorial da Resistência, antigo prédio do DEOPS – próx. as estações Luz e Júlio Prestes da CPTM
9h – Ato de agradecimento a Cuba pelo acolhimento dos brasileiros perseguidos políticos durante a ditadura civil-militar no Brasil e visita monitorada ao Memorial da Resistência

Entidades que convocam a Convenção
ABEEF, APEOESP, APES, ARES ABC, Assembleia Popular, CA de RI Unesp, Casa da América Latina, CCML, CDH Gaspar Garcia, CEAC, Cebrapaz, CEEP, CMP, Comitê Bolivariano de São Paulo, Comitê Brasileiro pela Libertação dos 5 Patriotas Cubanos, Comitê Pró-Haiti, Confraria Soteropaulistana, Consulta Popular, CRESS-SP, CTB, CUT, DCE UEPB, DCE UFABC, DCE UFCG, DCE UFPE, DCE UFRPE, DCE USP, ENFF, Fábrica Ocupada Flaskô, FDIM, FEAB, Frente pelo fim da Criminalização das Mulheres e pela Legalização do Aborto, Instituto Voz Ativa, Intersindical, J5J, JOC, Jornal A Verdade, Jornal Inverta, MAB, MLB, MLC, MLST, MMM, MORENA – CB, Movimento Correnteza, Movimento de Mulheres Olga Benário, MPA, MST, Pátria Livre, PCB, PCdoB, PCML, PCR, PSOL, PT, Rede Jubileu Sul, SASP, Sindipetro SP, SINDJORNAL, SINDLIMP/PB, SOF, STIUPB, UESPE, UJC, UJR, UJS, Uneafro, UST

Associações Culturais José Martí dos estados Bahia, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Rio Grande do Norte, Casa Gregório Bezerra – PE, Casa de amizade Brasil-Cuba – CE e Núcleo de Estudos Cubanos – DF
OUTRAS ORIENTAÇÕES – IMPORTANTE!

- Nos esforçaremos para que todas as atividades comecem pontualmente, mas, para isso, precisamos do apoio de toda/os a/os participantes. COLABORE!

- Tem feito muito frio em São Paulo especialmente a noite, prepare-se para isso.

- Todas as atividades ficam na região da Barra Funda, ao lado da estação do metrô (linha vermelha), com exceção da Confraternização que será próxima ao metrô Armênia (linha azul do metrô).

- O metrô em São Paulo custa R$ 2,90 e o ônibus R$ 3,00
Endereços dos locais do evento

Memorial da América Latina – Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664 – próx ao metrô Barra Funda

UNINOVE – Rua Deputado Salvador Julianelli, s/n – próx ao metrô Barra Funda

SINTAEMA (confraternização) – Av. Tiradentes, 1353 – próx ao metrô Armênia (saída A do metrô)
Memorial da Resistência (antigo prédio do DEOPS) – Largo General Osório, 66 – próx. às estações Luz e Júlio Prestes da CPTM
DIVULGUE, APOIE E PARTICIPE DA CONVENÇÃO!

Fórum Popular de Saúde do Estado de São Paulo organiza ato contra a privatização do complexo do Hospital das Clínicas de São Paulo

Nos últimos dias surgiu na imprensa denúncias envolvendo as Organizações Sociais (OS) que administram os serviços de saúde em São Paulo. Nós, dos movimentos sociais, como os forúns de saúde, sindicatos de trabalhadores da área denunciamos e lutamos contra essa terceirização e venda do SUS na cidade e no estado de São Paulo há anos. Agora o Tribunal de Contas do Município e o Ministério Público deixam claro e escancaram os desmandos e as denuncias do não cumprimento da assistência a saúde para a população.

Recentemente foi anunciado que o Governo de São Paulo vai ampliar atendimento preferencial a plano privado no Complexo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e o Incoor. Conhecida como “dupla porta”, esse atendimento privilegia os pacientes que possuem planos de saúde em detrimento aos usuários do Sistema Único de Saúde.

Enquanto empresários disputam o SUS para fazer lucro no mercado financeiro, nós trabalhadores, usuários, estudantes e movimentos sociais temos que colocar o nosso lado em defesa do SUS 100% Público e Estatal. O Fórum Popular de Saúde do Estado de São Paulo, espaço formado por trabalhadores e estudantes da saúde, usuários e movimentos populares, convida a todos para lutar em defesa dos nossos direitos.

 Nesta Quinta-feira, dia 16/06, Ato Público “Fora Organizações Sociais! – Contra Dupla Porta no Quarteirão da Saúde”

Concentração às 11h em frente à Secretaria Estadual de Saúde, Av. Dr Enéas C. Aguiar, 188, São Paulo

 Contatos:
Paulo Spina – trabalhador da saúde (11) 7373-4783
Ciro Matsui – estudante de medicina da USP (19) 9127-7797

 Maiores informações:
www.forumpopulardesaude.com.br
facebook.com/forumsaudesp

twitter.com/forumsaudesp

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 2.690 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: